???item.export.label??? ???item.export.type.endnote??? ???item.export.type.bibtex???

Please use this identifier to cite or link to this item: http://tede.unicentro.br:8080/jspui/handle/jspui/1701
Tipo do documento: Dissertação
Título: O MALTE DE CEVADA COMO FONTE DE AMILASES: HIDRÓLISE DOS AMIDOS DE MANDIOCA E BATATA-DOCE E FERMENTAÇÃO ALCOÓLICA DOS MOSTOS OBTIDOS
Autor: Luz, Felipe Staciaki da 
Primeiro orientador: Banczek, Everson do Prado
Resumo: O malte de cevada foi a avaliado como fonte de enzimas amilolíticas para a hidrólise dos amidos de mandioca e batata-doce, de modo a desenvolver metodologias de produção de etanol mais limpas e baratas. As hidrólises foram realizadas com dois tipos de catalisadores: o malte moído e o extrato enzimático do malte; e também foram comparados dois tipos de malte (Pilsen e Pale Ale). As hidrólises com o malte moído foram realizadas nas concentrações de 5, 10 e 15 % (m/m) e com a fécula de mandioca e farinha de batata-doce na concentração 10 % (m/V). Para o extrato enzimático foram utilizadas as concentrações de 0,5; 1,0 e 1,5 % (V/V) e a mesma concentração de fécula e farinha. Para os dois tipos de amido, o extrato enzimático se mostrou mais eficiente na hidrólise e foi escolhido para dar continuidade ao trabalho. A hidrólise dos amidos foi otimizada com um planejamento composto central rotacional 22, sendo que para a hidrólise do amido de mandioca, a condição ótima foi de 2,93% (m/V) de fécula de mandioca e 3,68 %(V/V) de extrato enzimático de malte Pilsen; e para a hidrólise do amido de batata-doce a condição ótima foi de 2,93 %(m/V) de farinha de batata-doce e 8,09 %(V/V) de extrato enzimático de malte Pilsen. Não foi observada diferença significativa entre o malte Pilsen e o Pale Ale na hidrólise dos amidos. Para o amido de mandioca hidrolisado, o teor de etanol obtido pela fermentação alcoólica nas condições otimizadas foi de 8,17 ± 2,11 g L-1 para o malte Pilsen e 7,01 ± 0,25 g L-1 para o malte Pale Ale. No caso do amido de batata-doce hidrolisado, os teores para os maltes Pilsen e Pale Ale foram respectivamente 7,13 ± 0,32 g L-1 e 6,92 ± 0,0021 g L-1. O teste do efeito da variação da temperatura mostrou que esta não contribuiu significativamente nos teores de açúcares redutores e etanol obtidos. As análises de espectroscopia na região do infravermelho por transformada de Fourier (FTIR) comprovaram que foi obtido etanol como produto principal da fermentação alcoólica, tanto a partir da fécula de mandioca como para a farinha de batata-doce. As análises físico-químicas mostraram potencialidade do álcool produzido para aplicação como combustível.
Abstract: Barley malt was evaluated as a source of amylolytic enzymes to hydrolyze cassava and sweet potato starches, in order to develop cleaner and cheaper ethanol production methodologies. The hydrolyses were carried out with two types of catalyst: the milled malt and the enzymatic extract of the malt. The two types of malt were also compared (Pilsen and Pale Ale). Hydrolyses with milled malt were carried out at concentrations of 5, 10 and 15% (w/w) and with cassava starch and sweet potato flour at a concentration of 10% (w/V). The enzymatic extract was used at the concentration of 0.5, 1.0 and 1.5 %(V/V) for the same concentration of starch and flour. For both types of starch, the enzymatic extract proved to be more efficient in hydrolysis and was chosen to continue the work. The hydrolysis of starches was optimized with a central rotational composite design 22. The hydrolysis of cassava starch presented an optimum condition at 2.93% (w/V) of starch and 3.68 %(V/V) of enzymatic extract Pilsen malt. For the hydrolysis of sweet potato starch, the optimum condition was 2.93% (w/V) of sweet potato flour and 8.09 %(V/V) of enzymatic extract of Pilsen malt. No significant difference was observed between Pilsen malt and Pale Ale in starch hydrolysis. For hydrolyzed cassava starch, the ethanol content obtained by alcoholic fermentation under optimized conditions was 8.17 ± 2.11 g L-1 for Pilsen malt and 7.01 ± 0.25 g L-1 for Pale Ale malt. In the case of hydrolyzed sweet potato starch, the levels for Pilsen and Pale Ale malts were 7.13 ± 0.32 g L-1 and 6.92 ± 0.0021 g L-1, respectively. The test of the effect of temperature variation showed that it did not contribute significantly to the levels of reducing sugars and ethanol obtained. Spectroscopy analysis in the infrared region by Fourier transform (FTIR) proved that ethanol was obtained as the main product of alcoholic fermentation, both from cassava starch and sweet potato flour.
Palavras-chave: hidrólise enzimática
etanol
enzimas amilolíticas
malte Pilsen
malte Pale Ale
enzymatic hydrolysis
ethanol
amylolytic enzymes
Pilsen malt
Pale Ale malt
Área(s) do CNPq: CIENCIAS EXATAS E DA TERRA::QUIMICA
Idioma: por
País: Brasil
Instituição: Universidade Estadual do Centro-Oeste
Sigla da instituição: UNICENTRO
Departamento: Unicentro::Departamento de Ciências Exatas e de Tecnologia
Programa: Programa de Pós-Graduação em Química (Mestrado)
Citação: Luz, Felipe Staciaki da. O MALTE DE CEVADA COMO FONTE DE AMILASES: HIDRÓLISE DOS AMIDOS DE MANDIOCA E BATATA-DOCE E FERMENTAÇÃO ALCOÓLICA DOS MOSTOS OBTIDOS. 2021. 95 f. Dissertação (Programa de Pós-Graduação em Química - Mestrado) - Universidade Estadual do Centro-Oeste, Guarapuava-PR.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: http://tede.unicentro.br:8080/jspui/handle/jspui/1701
Data de defesa: 28-May-2021
Appears in Collections:Programa de Pós-Graduação em Química Aplicada

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Dissertação final - Felipe Staciaki da Luz.pdfFelipe Staciaki da Luz2,79 MBAdobe PDFThumbnail

Download/Open Preview


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.