???item.export.label??? ???item.export.type.endnote??? ???item.export.type.bibtex???

Please use this identifier to cite or link to this item: http://tede.unicentro.br:8080/jspui/handle/jspui/1095
Tipo do documento: Dissertação
Título: CORROSÃO E BIOCORROSÃO DO ALUMÍNIO AA 3003 EM MEIO DE BIODIESEL, DIESEL, ETANOL E GASOLINA
Autor: Soares, Mayara 
Primeiro orientador: Banczek, Everson do Prado
Resumo: Os biocombustíveis são provenientes de fontes renováveis e cada vez mais são inseridos na matriz energética mundial, por isso é de extrema importância conhecer suas propriedades. O contato dos combustíveis com os diversos materiais metálicos constituintes dos veículos torna estes susceptíveis à corrosão. O alumínio é um metal utilizado em componentes automotivos que possui características interessantes de resistência à corrosão, pois reage com o oxigênio atmosférico sem que ocorra uma degradação de sua superfície, ao invés disso, forma-se uma camada de óxido a qual o protege contra corrosão. A norma ABNT 14359 estabelece o método de determinação da corrosão em combustíveis, porém, é exclusiva para o cobre e combustíveis fósseis, e, a corrosão é avaliada de maneira qualitativa. Neste contexto, este trabalho teve como objetivo determinar a corrosão do alumínio AA 3003 em meio de biodiesel, diesel, etanol e gasolina. A metodologia utilizada consistiu na imersão do material metálico nos combustíveis durante 2 meses para posterior análise por ensaios de perda de massa. Realizou-se também ensaios de biocorrosão com a presença de bactéria Escherichia coli (E. coli). As amostras foram caracterizadas por microscopia eletrônica de varredura, espectroscopia de impedância eletroquímica e polarização potenciodinâmica anódica. Não houve variação significativa de massa com os ensaios de perda de massa para todos os combustíveis, sugerindo que o alumínio, quando imerso nos combustíveis, não sofre um processo corrosivo acentuado. Nos resultados eletroquímicos em geral, o metal se mostrou mais protegido contra corrosão quando imerso nos combustíveis, particularmente o diesel, mostrou-se o meio mais favorável, seguido pelo biodiesel, etanol e pela gasolina. A gasolina aumentou a suscetibilidade à corrosão da liga de alumínio e, este comportamento, pode estar relacionado a presença de enxofre na gasolina. A presença da E. coli apenas para a gasolina foi prejudicial em sua resistência à corrosão, para os outros combustíveis a presença dos microrganismos inibiu o processo corrosivo. Os resultados indicaram que alumínio AA 3003 é um material metálico adequado para utilização na confecção de componentes veiculares que ficarão em contato com biodiesel, diesel, etanol ou gasolina, pois em nenhum caso ocorreu um processo de corrosão generalizado.
Abstract: Biofuels are derived from renewable sources and increasingly are inserted in the global energy matrix, so it is of utmost importance to know their properties. The contact of fuel with various metallic materials constituents of vehicles makes these materials susceptible to corrosion. Aluminium is a metal used in automotive components has interesting features of corrosion resistance, because reacts with atmospheric oxygen without degradation that occurs from its surface, instead, an oxide layer is formed which protects against corrosion. The ABNT standard establishes the method for determining corrosion in fuels, but it is exclusive to copper and fossil fuels, and corrosion is evaluated in a qualitative way. In this context, this study aimed to investigate the corrosion of aluminum alloy AA 3003 in the midst of biodiesel, diesel, ethanol and gasoline. The methodology used consisted of immersion of the metallic material in the fuels during a two months for later analysis by mass loss tests. Biocorrosion assays with a presence of Escherichia coli bacteria (E. coli) were also carried out. The samples were characterized by scanning electron microscopy, electrochemical impedance spectroscopy and anodic potentiodynamic polarization. There was no significant mass variation with the mass loss tests for all fuels, suggesting that aluminum, when immersed in fuel, does not suffer a severe corrosive process. The electrochemical results in general, the metal proved to be more protected against corrosion when immersed in fuels, particularly diesel, proved to be the most favorable, followed by biodiesel, ethanol and gasoline. Gasoline reduced the corrosion resistance, and this may be related to the presence of sulfur in its composition. The presence of E. coli only for gasoline was detrimental in its resistance to corrosion, for the other fuels the presence of the microorganisms inhibited the corrosive process. The results indicated that aluminum AA 3003 is metallic material suitable for use in the preparation of vehicle components that will be in contact with biodiesel, diesel, ethanol or gasoline, because in no case did a generalized corrosion process occur.
Palavras-chave: combustível
biocombustível
ensaios eletroquímicos
oxidação
fuel
biofuel
electrochemical tests
oxidation
Área(s) do CNPq: CIENCIAS EXATAS E DA TERRA::QUIMICA
ENGENHARIAS
CIENCIAS BIOLOGICAS
CIENCIAS SOCIAIS APLICADAS::ADMINISTRACAO
Idioma: por
País: Brasil
Instituição: Universidade Estadual do Centro-Oeste
Sigla da instituição: UNICENTRO
Departamento: Unicentro::Departamento de Ciências Agrárias e Ambientais
Programa: Programa de Pós-Graduação em Bioenergia (Mestrado)
Citação: SOARES, Mayara. CORROSÃO E BIOCORROSÃO DO ALUMÍNIO AA 3003 EM MEIO DE BIODIESEL, DIESEL, ETANOL E GASOLINA. 2018. 52 f. Dissertação (Programa de Pós-Graduação em Bioenergia - Mestrado) - Universidade Estadual do Centro-Oeste, Guarapuava - PR.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: http://tede.unicentro.br:8080/jspui/handle/jspui/1095
Data de defesa: 11-Jun-2018
Appears in Collections:Programa de Pós-Graduação em Bioenergia

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Dissertação Final - Mayara Soares.pdfMayara Soares1,97 MBAdobe PDFThumbnail

Download/Open Preview


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.